Textos
Mistura de Amor
Vem me dê a mão, que eu te proponho não dizer nada seguirmos juntos a mesma estrada. Fazer bater outra vez com esperanças o meu coração e deixar terminar o verão, enfim...
Passar uma tarde em Itapuã, tomando água de coco, empapuçados de amor;
Deixar as mágoas nas águas fundas do mar e lembrar que nessa estrada só quem pode me seguir sou eu... quem me levará sou eu... quem regressará sou eu...
Ai que bom se eu morrer de amor.Mas sem sonhar.Sonho feito de brisa vento vem terminar.
]Já não sonho.Penso que é festa. Danço,canto,contagio diversos corações..É minha garantia.
E levo comigo o seu sorriso que continua no meu peito.
Caminho na certeza de não estar sozinha, pois percebo uma multidão precisa de alguém mais forte a me guiar.
Mas se não der pra continuar, não precisa enganar que ainda sou sua.Não precisa ensinar o caminho da rua. Deixe apenas que eu vá.
E quem sabe um dia a gente se encontra pra outra folia. Pra deixar o coração bater feliz.
Olhos nos olhos, água na boca, um aperto na mão, um eterno flerte ,um arrepio.
Mas não negue seu amor o seu carinho e não esqueça que você foi meu um dia.
Guarde-me sempre no lado esquerdo do peito, pois é lá que se guardam os amigos (diz uma canção da América).E qualquer dia amigo eu volto a te encontrar.
E por entre lenços brancos de partida sem ter você irei mais só.
Mas se quiser ser meu namorado e se mais do que meu namorado você quiser ser meu amado, meu amado mais amado pra valer: não faça nada, só pra deitar e rolar comigo, à meia luz, a sós, a toa. Neste eterno caso sério, com esse aroma, esse cheiro de manjericão e explode coração, pois não dá mais pra segurar.

Livia Chamusca
Enviado por Livia Chamusca em 12/11/2010
Comentários
Site do Escritor criado por Recanto das Letras