Textos
NO MEIO DA NOITE
No meio da noite
Como que despertada por vozes que não mais queria  ouvir
Acordei, lembrando de alguém,de quem por certo não lembra mais de mim;
Lembrando momentos que teimam em povoar meus pensamentos
Como se nada mais existisse além do teu sorriso;
Como se eu fosse a persistência da memória, de Salvador Dali
E como se dali,  partissem resquícios de um tempo,
De uma memória, que por certo não deveria mais existir;
Fiquei pensando e perguntando a mim mesma
Com o que será que sonhei?
Quem na desproporção dos sonhos
Penetrou no meu consciente
E no surrealismo da minha alma
Insiste em permanecer maior que eu mesma?
As horas se passam
O tempo não para, como dizia Cazuza
Que por sinal acabei de ouvir no rádio
Minha maior companhia.
O dia lá fora surge sorrateiro
Invadindo aos poucos  o meu espaço;
Olho pela janela ele chegando de mansinho
Lembrando-me que a noite sempre passa
Que a escuridão sempre termina
Quando uma nova luz se mostra a nossa frente;
Olho ,penso, lembro, porque existo
E nessa existência sigo insistindo em ser feliz;
Sonho, planejo,espero
Mas, sobretudo, ajo,interajo
Possibilitando que o novo aconteça
Como o dia que nasce diferente de todos os outros
Mas trazendo sempre consigo, a  certeza de que o hoje
pode ser melhor que o ontem
e construir um amanhã mais feliz
Só não se pode esquecer  a vontade de viver;
E nesse diálogo comigo mesma
Agradeço ao criador pela graça da vida
Por mais um dia oferecido a mim
Para fazer dele o que eu quiser
E olhando minha cama macia e solitária
Busco minha própria companhia
Aconchego-me entre travesseiros macios
Relaxo, sonho acordada
E no emaranhado desses sonhos
Volto a dormir.
Livia Chamusca
Enviado por Livia Chamusca em 11/06/2011
Comentários
Site do Escritor criado por Recanto das Letras